Terça, 09 Março 2021 | Login
Terça-feira, 9 de Março 2021
6:28:32am
Após falha global, Google diz que resolveu instabilidade nos serviços

Após falha global, Google diz que resolveu instabilidade nos serviços

O Google informou no final da manhã desta segunda-feira (14) que a instabilidade nos seus serviços já foi solucionada e tudo deve estar normalizado para a maioria dos usuários. A empresa não deu detalhes do erro que deixou Gmail, YouTube, Google Docs e outros serviços fora do ar para as pessoas em todo o mundo.

As reclamações começaram por volta das 8h40, com pico de mais de 20 mil reclamções no Brasil pouco antes das 9h, segundo o site Downdetector, que monitora situações de serviços que ficam fora do ar. Depois desse horário, as notificações de erro foram diminuindo.

Além do Brasil, foram registradas reclamações nos EUA, Japão, Reino Unido e outros países, indicando uma falha global.

Ao tentar acessar, usuários encontram mensagens de erro temporário nos serviços. “Sua conta está temporariamente indisponível; lamentamos o transtorno e sugerimos que você tente novamente em alguns minutos”. O app para celular, por sua vez, não recebe novos e-mails.

Foram registradas instabilidades também no YouTube TV, Classroom, Nest (produtos de casa conectada do Google), Play Store (loja de aplicativos no Android), YouTube Music, Google Home, Stadia (streaming de jogos), Google Hangouts, Google Maps, Google Meet e Google Duo.

O problema nos sites gerou memes nas redes sociais.

Itens relacionados (por tag)

  • Joe Biden toma posse como novo presidente dos EUA

    O democrata Joe Biden tomou posse nesta quarta-feira (20) como novo presidente dos EUA, após vencer as eleições em novembro, derrotando o então presidente Donald Trump. Tanto Biden como a vice, Kamala Harris, fizeram o juramento em cerimônia no Capitólio, em Washington. "Juro solenemente que vou desempenhar com fidelidade o cargo de presidente dos Estados Unidos. Farei tudo que estiver ao meu alcance para preservar, proteger e defender a Constituição", disse o agora líder da Casa Branca, com uma das mãos sobre uma Bíblia.

    Depois da invasão do Capitólio por apoiadores de Trump no último dia 6, a cerimônia não foi aberta ao público e contou somente com convidados. Trump não compareceu à posse, quebrando com uma tradição secular do país. Outros ex-presidentes estiveram presentes, como os democratas Barack Obama e Bill Clinton e o republicano George W. Bush. O vice-presidente de Trump, Mike Pence, também estava na posse.

    A cantora Lady Gaga, apoiadora que fez campanha para Biden no ano passado, cantou o hino dos EUA na cerimônia. Outros artistas também se apresentaram, como Jennifer Lopez.

    A ex-senadora Kamala, 55 anos, teve o juramento da posse conduzido pela juíza da Suprema Corte SOnia Sotomayor, se tornando a primeira mulher a ocupar o cargo na história do país. Já o juramento de Biden foi conduzido pelo presidente da Suprema Corte, John G. Roberts Jr.

    Segurança
    A cerimônia contou com proteção de 25 mil homens e mulheres da Guarda Nacional, além de aparato de defesa que incluia caminhões militares, blindados, barreiras e grades impedindo acesso ao local. A invasão dos apoiadores de Trump ao Capitólio aconteceu durante a certificação da vitória de Biden pelo Congresso, em contestação ao resultado da eleição.

    Também por motivos de segurança, o tradicional desfile de carro aberto pela Pennsylvania Avenua após a posse, até a Casa Branca, foi cancelado. Normalmente, a população fica pelo caminho cumprimentando o presidente. No lugar das pessoas, 200 mil bandeiras americanas foram cravadas no gramado do local, para representar o povo.

    Biden foi eleito ao garantir 306 votos no Colégio Eleitoral, frente a 232 de Trump, nas eleições realizadas em novembro de 2020. O republicano demorou para aceitar a derrota, contestando o resultado em diversas cortes, mas todos os pedidos foram rejeitados por falta de indício das fraudes alegadas.

  • Argentina começa hoje a aplicar 300 mil doses de vacina russa

    Após receber as primeiras 300 mil doses da vacina russa Sputnik V, a Argentina iniciou nesta segunda, 28, a distribuição para que o programa de imunização em massa comece hoje nas províncias. O Fundo de Investimento Direto Russo, que financiou o desenvolvimento da vacina, planeja enviar mais 10 milhões de doses ao país em 2021.

    "Recebemos as primeiras 300 mil doses para iniciar este grande desafio que é a campanha de vacinação mais importante da história da Argentina", disse a secretária de Saúde, Carla Vizzotti, parte da delegação que viajou à Rússia para receber informações técnicas sobre a Sputnik V - ela voltou no mesmo avião que transportou as primeiras doses. A Rússia alega que a eficácia de sua vacina, vista com desconfiança por parte da comunidade científica ocidental, é de 91,4%.

    A segunda leva do imunizante será enviada à Argentina nas próximas três semanas, segundo o diretor do Centro Gamaleya, criador da Sputnik V, Alexander Gintsburg. Ele afirmou que os fabricantes conseguiram eliminar um desequilíbrio na produção do primeiro e do segundo componentes, que são inoculados com um hiato de 21 dias.

    A vacinação começará às 9 horas (horário local), segundo informou o presidente argentino, Alberto Fernández, no fim de semana. Na primeira fase, a vacinação será destinada aos profissionais de saúde de grandes centros urbanos, onde a pandemia teve um impacto maior e o risco de uma segunda onda é mais elevado.

    O coordenador do setor de logística do Ministério da Saúde, Juan Pablo Saulle, afirmou que "todo o calendário foi elaborado para fazer a entrega a cada ponto em cada província, para chegar ao mesmo tempo, com uma diferença de apenas 3 a 4 horas".

    O plano de vacinação estima um total de 54,4 milhões de doses, considerando um esquema de duas doses e calculando uma taxa de perda estimada em 15%, que atingiria entre 23 e 24 milhões de pessoas de uma população de 45 milhões.

    O contrato de aquisição da Sputnik V é o terceiro assinado pela Argentina: o primeiro foi com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford - vacina que será aplicada em março - e o segundo com a aliança internacional Covax, da ONU, embora outros acordos ainda estejam sendo negociados. "A ideia é que, quando chegar o outono já tenhamos vacinado todas as pessoas em grupos de risco", disse Fernández. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

  • Covid-19: México e Chile iniciam vacinação com imunizante da Pfizer

    México e Chile iniciaram nesta quinta-feira, 23, campanhas de imunização contra Covid-19. Nos dois países foram utilizadas doses da vacina da Pfizer, desenvolvida em parceria com a empresa alemã BioNTech.

    o primeiro país da América Latina a aplicar dose de um imunizante contra o novo coronavírus — a primeira pessoa a receber a vacina foi a enfermeira de 59 anos María Irene Ramírez, na Cidade do México.

    A segunda pessoa a receber a vacina foi uma enfermeira de Querétaro e a terceira um médico de Toluca, cidades da região central do país.

    No decorrer do dia serão inoculadas 2.975 mexicanos que trabalham em unidades de combate à covid-19, incluindo médicos, enfermeiras, auxiliares de enfermagem, trabalhadores de laboratório e funcionários de limpeza. A campanha começou um dia após a chegada ao país, por transporte aéreo, do primeiro lote de 3.000 vacinas vindas da Bélgica.

    No Chile, a primeira pessoa a receber o imunizante foi uma auxiliar de enfermagem de 46 anos. O país tem 10.000 doses em estoque por enquanto.

    Na Argentina, que autorizou a vacina da Pfizer na última quarta-feira, 23, porém, o carregamento recebido nesta quinta continha 300.000 vacinas Sputnik V, imunizante desenvolvido pelo instituto russo Gamaleya.

    A vacina Sputnik V também foi aprovada “em caráter de emergência” na quarta-feira pelo ministério da Saúde, sendo a primeira autorização da vacina russa na América Latina, informou em um comunicado o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia, que participou no financiamento do desenvolvimento da vacina.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Ad2