Domingo, 19 Setembro 2021 | Login
Joe Biden toma posse como novo presidente dos EUA

Joe Biden toma posse como novo presidente dos EUA

O democrata Joe Biden tomou posse nesta quarta-feira (20) como novo presidente dos EUA, após vencer as eleições em novembro, derrotando o então presidente Donald Trump. Tanto Biden como a vice, Kamala Harris, fizeram o juramento em cerimônia no Capitólio, em Washington. "Juro solenemente que vou desempenhar com fidelidade o cargo de presidente dos Estados Unidos. Farei tudo que estiver ao meu alcance para preservar, proteger e defender a Constituição", disse o agora líder da Casa Branca, com uma das mãos sobre uma Bíblia.

Depois da invasão do Capitólio por apoiadores de Trump no último dia 6, a cerimônia não foi aberta ao público e contou somente com convidados. Trump não compareceu à posse, quebrando com uma tradição secular do país. Outros ex-presidentes estiveram presentes, como os democratas Barack Obama e Bill Clinton e o republicano George W. Bush. O vice-presidente de Trump, Mike Pence, também estava na posse.

A cantora Lady Gaga, apoiadora que fez campanha para Biden no ano passado, cantou o hino dos EUA na cerimônia. Outros artistas também se apresentaram, como Jennifer Lopez.

A ex-senadora Kamala, 55 anos, teve o juramento da posse conduzido pela juíza da Suprema Corte SOnia Sotomayor, se tornando a primeira mulher a ocupar o cargo na história do país. Já o juramento de Biden foi conduzido pelo presidente da Suprema Corte, John G. Roberts Jr.

Segurança
A cerimônia contou com proteção de 25 mil homens e mulheres da Guarda Nacional, além de aparato de defesa que incluia caminhões militares, blindados, barreiras e grades impedindo acesso ao local. A invasão dos apoiadores de Trump ao Capitólio aconteceu durante a certificação da vitória de Biden pelo Congresso, em contestação ao resultado da eleição.

Também por motivos de segurança, o tradicional desfile de carro aberto pela Pennsylvania Avenua após a posse, até a Casa Branca, foi cancelado. Normalmente, a população fica pelo caminho cumprimentando o presidente. No lugar das pessoas, 200 mil bandeiras americanas foram cravadas no gramado do local, para representar o povo.

Biden foi eleito ao garantir 306 votos no Colégio Eleitoral, frente a 232 de Trump, nas eleições realizadas em novembro de 2020. O republicano demorou para aceitar a derrota, contestando o resultado em diversas cortes, mas todos os pedidos foram rejeitados por falta de indício das fraudes alegadas.

Itens relacionados (por tag)

  • Internet Explorer será desativado pela Microsoft em 15 de junho de 2022

    O antigo o famoso navegador Internet Explorer será aposentado pela Microsoft. A empresa agendou para 15 de junho de 2022 o dia em que irá ocorrer a desativação.

    Lançado em 1995, o Internet Explorer se tornou o navegador dominante por mais de uma década, já que era fornecido com o sistema operacional Windows da Microsoft, que vinha pré-instalado em bilhões de computadores.

    Contudo, com o avanço no mundo tecnológico, o navegador começou a perder para o Chrome do Google no final dos anos 2000, tornando-se apenas objeto de incontáveis meme nas redes sociais devido à sua lentidão.

    Desativando o Internet Explorer, a Microsoft avança com foco no seu novo navegador, o Edge, para enfrentar o Chrome. O Edge foi lançado em 2015 e roda com a mesma tecnologia do navegador do Google, tendo passado por recentes atualizações.

  • EUA: agências recomendam suspensão da vacina J&J após casos de coágulos

    A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, pela sigla em inglês) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país, conhecido como CDC, recomendaram nesta terça-feira (13) que o uso da vacina contra covid-19 da Johnson & Johnson (J&J) seja interrompido após relatos de casos de coágulos desenvolvidos por pessoas que receberam o imunizante.

    A FDA e o CDC estão avaliando dados envolvendo seis casos de coagulação. A vacina é produzida pela Janssen, unidade europeia da J&J com sede na Bélgica. Fonte: Dow Jones Newswires.

    EUA: agências recomendam suspensão da vacina J&J após casos de coágulos

  • Argentina começa hoje a aplicar 300 mil doses de vacina russa

    Após receber as primeiras 300 mil doses da vacina russa Sputnik V, a Argentina iniciou nesta segunda, 28, a distribuição para que o programa de imunização em massa comece hoje nas províncias. O Fundo de Investimento Direto Russo, que financiou o desenvolvimento da vacina, planeja enviar mais 10 milhões de doses ao país em 2021.

    "Recebemos as primeiras 300 mil doses para iniciar este grande desafio que é a campanha de vacinação mais importante da história da Argentina", disse a secretária de Saúde, Carla Vizzotti, parte da delegação que viajou à Rússia para receber informações técnicas sobre a Sputnik V - ela voltou no mesmo avião que transportou as primeiras doses. A Rússia alega que a eficácia de sua vacina, vista com desconfiança por parte da comunidade científica ocidental, é de 91,4%.

    A segunda leva do imunizante será enviada à Argentina nas próximas três semanas, segundo o diretor do Centro Gamaleya, criador da Sputnik V, Alexander Gintsburg. Ele afirmou que os fabricantes conseguiram eliminar um desequilíbrio na produção do primeiro e do segundo componentes, que são inoculados com um hiato de 21 dias.

    A vacinação começará às 9 horas (horário local), segundo informou o presidente argentino, Alberto Fernández, no fim de semana. Na primeira fase, a vacinação será destinada aos profissionais de saúde de grandes centros urbanos, onde a pandemia teve um impacto maior e o risco de uma segunda onda é mais elevado.

    O coordenador do setor de logística do Ministério da Saúde, Juan Pablo Saulle, afirmou que "todo o calendário foi elaborado para fazer a entrega a cada ponto em cada província, para chegar ao mesmo tempo, com uma diferença de apenas 3 a 4 horas".

    O plano de vacinação estima um total de 54,4 milhões de doses, considerando um esquema de duas doses e calculando uma taxa de perda estimada em 15%, que atingiria entre 23 e 24 milhões de pessoas de uma população de 45 milhões.

    O contrato de aquisição da Sputnik V é o terceiro assinado pela Argentina: o primeiro foi com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford - vacina que será aplicada em março - e o segundo com a aliança internacional Covax, da ONU, embora outros acordos ainda estejam sendo negociados. "A ideia é que, quando chegar o outono já tenhamos vacinado todas as pessoas em grupos de risco", disse Fernández. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.